Contexto
Os materiais começaram a ser produzidos um mês antes do início da campanha eleitoral, a mais tardia dos últimos tempos graças à pandemia do coronavírus que também abreviou toda a sua duração. O que demandou uma produção mais dinâmica dos gráficos que tinham como objetivo dar um panorama nacional das eleições.

Equipe
Esse trabalho foi fruto de um esforço coletivo em uma equipe dividida entre a ciência de dados e o design. Gabriel 
Zanlorenssi como cientista político e editor-assistente, com o apoio de Gabriel Maia na análise de dados e eu, como o responsável pela narrativa e pelo design, com a assistência Carolina Souza e Gabriela Salles.​​​​​​​​​​​​​​
Imagens de apresentação dos materiais publicados. O laranja foi a cor que permeou os materiais sobre Eleições 2020 no veículo.
Produção
A produção dos gráficos no Nexo, em geral, pode ser entendida em cinco etapas. Processo esse que pode ser reavaliado visando uma boa execução seja em excelência ou em tempo de produção.
Nos materiais publicados no dia da eleição o processo mudou, com o roteiro e o layout antecedendo à coleta dos dados. O design e o texto do gráfico já estavam prontos, aguardando os dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).
Cores
Um desafio de fazer gráficos sobre a política brasileira é articular as cores dos mais de 30 partidos registrados. 
As cores, então, foram definidas com meses de antecedência à eleição, por aproximação da cor a qual o partido é reconhecido.

No caso de duas cores muito próximas, a preferência foi dada para a sigla com mais representantes. Ainda assim, surgiam alguns conflitos de cor ou contraste em casos específicos, que foram ajustados em alguns gráficos preliminares à campanha eleitoral.
A intenção em criar uma paleta de cores sólidas é dar, ao leitor do veículo, facilidade ao assimilar a posição do partido em um gráfico. Uma relação que, cultivada ao longo de meses, aprofunda a familiaridade do leitor com o veículo.

Veja também

Back to Top